quarta-feira 17 de abril de 2024

Daniel Alves

Enquanto cumpre pena na Espanha, a surpreendente fortuna que Dani Alves recebeu

Jogador brasileiro foi condenado a quatro anos de prisão
quinta-feira 29 de fevereiro de 2024 | 20:35hs.
Daniel Alves está preso desde o dia 20 de janeiro, e foi condenado recentemente
Daniel Alves está preso desde o dia 20 de janeiro, e foi condenado recentemente

Na última quinta-feira (22), Daniel Alves recebeu a sua sentença: o jogador brasileiro foi condenado a quatro anos de prisão em regime fechado pelo crime de violência íntima contra uma jovem de 23 anos de idade, que foi cometido na noite do dia 30 de dezembro de 2022, em Barcelona. Na época, o lateral-direito estava vinculado ao Pumas, do México, onde jogou até o anúncio de sua prisão preventiva.

Lee también: Depois de renovar com o Flamengo, o destino surpreendente que Gabigol teria

Com passagens vitoriosas pelo Barcelona, Juventus, Paris Saint-Germain e Seleção Brasileira, o jogador que disputou três vezes a Copa do Mundo passou de suspeito a réu em 2023. E na semana passada, recebeu a notícia que menos gostaria: ele foi considerado culpado, e terá que cumprir 4 anos em regime fechado, sendo outros 5 em “liberdade vigiada”, sem poder deixar o país.

Daniel Alves, no primeiro dia do julgamento do caso em que é acusado de estupro em Barcelona — Foto: Alberto Estévez/EFE

Porém, nem tudo são notícias ruins para o brasileiro. Pouco após receber a notícia de sua condenação, Daniel foi informado que ganhou uma ação onde receberia cerca de R$ 6 milhões do fisco espanhol, isso porque ele acionou a Justiça entre 2013 e 2014, depois que renovou o contrato com o Barça. A juíza anunciou após o veredito que o jogador venceu a ação.

Lee también: Jogou no Corinthians, venceu Pelé em campo e perdeu a vida

Daniel Alves tinha acionado judicialmente a Receita Federal espanhola por discordar da tributação dos valores cobrados pelos serviços de intermediação do agente Joaquín Macanás, na altura da renovação de contrato com o Barcelona entre 2013 e 2014. Segundo seus advogados, o agente agiu em nome do clube e não dele. E, agora, a Justiça decidiu a favor do jogador.