quarta-feira 17 de abril de 2024

Corinthians

Jogou no Corinthians, venceu Pelé em campo e perdeu a vida

Ele esteve presente em uma partida histórica do Timão contra o Santos, que tinha o Rei do Futebol
quarta-feira 28 de fevereiro de 2024 | 16:27hs.
Morre ex-jogador do Corinthians que venceu o Rei Pelé em um clássico
Morre ex-jogador do Corinthians que venceu o Rei Pelé em um clássico

No final de 2022, o Brasil e o mundo perderam Edson Arantes do Nascimento, o eterno Pelé, o rei do futebol. Único jogador a conquistar a Copa do Mundo por três vezes (1958, 1962, 1970), ele nos deixou aos 82 anos de idade, com problemas sérios de saúde. E na última terça-feira (27), um jogador que tem uma ligação com a carreira do eterno camisa 10 também faleceu, aos 80 anos.

Lee también: A atitude surpreendente que Dani Alves tomou após sua condenação na Espanha

O ex-lateral Osvaldo Cunha defendeu vários times do futebol brasileiro, como o Guarani, São Paulo, América-MG e também o Corinthians. Foi pelo Timão que o jogador teve o episódio mais marcante de sua carreira, quando esteve em campo na famosa “quebra do tabu” contra o Santos, que havia empilhado um título atrás do outro durante a passagem de Pelé pela Vila Belmiro.

Morre Osvaldo Cunha, marcante lateral do Corinthians e do SP
Osvaldo defendeu o Corinthians no fim dos anos 60

Eram sofridos 11 anos sem vencer o rival. Osvaldo estava na equipe que entrou em campo no dia 6 de março de 1968, quando o Corinthians venceu o time do rei por 2 a 0, em São Paulo. O time do Peixe tinha o quinteto mágico formado por Dorval, Mengálvio, Coutinho, Pelé e Pepe em campo, mas o Timão foi superior e conseguiu quebrar o longo tabu naquele dia que ficou na história.

Lee también: O que Cesar Vallejo fez na apresentação de Paolo Guerrero, ele já esqueceu da LDU

Aos 80 anos, Osvaldo morava em Pedreira-SP, deixa a esposa e dois filhos. Foram 66 jogos com o manto alvinegro, e apenas um gol marcado. O único título da carreira foi conquistado com a camisa do América-MG: o título do Campeonato Mineiro de 1971.